Allelujah Haptism

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa


Gundam Fodão
Gundam de Matusalém
Esse artigo está relacionado a um ou mais Gundams(ou não). Devem ter sabres de luz mas não são Jedi, têm metralhadoras do tamanho de postes mas não são o Rambo. Provavelmente são robôs fodônicos que voam, estralhaçam os vilões, têm pilotos muito machos(ou não) e sempre acabam deixando destroços para poluir o espaço.

Não vandalize, se não o Celestial Bieng vai invadir sua casa.

Cquote1.png Aiii, ele é lindo! Olha só que olhos fodas! Cquote2.png
Fangirl sobre Allelujah Haptism
Cquote1.png Meh ¬¬ Cquote2.png
O resto do mundo sobre citação acima

Sim, ele tem um olho de cada cor. Bizarro.


Allelujah Haptism é um dos personagens principais do anime Gundam 00 e membro da organização Al qaeda Avalanche Celestial Being. Seus traços mais marcantes são seu nome estranho pra caralho curioso e seus olhos assustadores. E também pelo fato de existirem duas pessoas dentro de seu corpo, mas isso é comum hoje em dia, certo?

Origem do nome[editar]

Cquote1.png Mas que porra de nome é Allelujah? Cquote2.png
Você sobre Allelujah Haptism

Aquiete-se, pentelho. Assim que a existência desse indivíduo foi descoberta pela Desciclopédia, nossos melhores Escravos investigadores foram enviados aos quatro cantos do mundo com a missão de descobrirem o motivo para um nome tão ridículo incomum. Arquivos foram lidos, pessoas foram interrogadas e um ou dois mendigos foram incendiados, mas nada foi encontrado além de rumores. Entre a interminável lista de possibilidades, foram escolhidas as duas que pareciam mais verossímeis.
Um dos rumores diz que o nome Allelujah foi dado ao garoto por sua própria mãe. Não, ela não era religiosa e nem odiava seu filho para dar um nome assim. A história é um pouco mais sombria (MWHAHAHAHAHA!). Segundo os interrogados, Allelujah sofreu um certo problema durante sua formação, fazendo com que o feto crescesse em uma velocidade assustadora. No primeiro mês de gestação, Allelujah já tinha o tamanho de um bebê completamente formado. Com nove meses, seu tamanho já era o de um pequeno elefante pigmeu porra!. Depois de nove meses de angústia para a pobre gestante, o dia de descarregar aquele saco de banha inútil lindo menino finalmente chegou.
Ao chegar na maternidade, seu plano era fazer o parto através de uma cesariana. Mas, infelizmente, o único cirurgião presente no dia estava ocupado demais retirando uma bala alojada em seu próprio cérebro. Então não teve jeito, teve de ser feito um parto normal mesmo.
Como se pode imaginar, o parto foi difícil. Depois de horas e horas de sofrimento – três dias para ser mais preciso – o rebento finalmente saiu. Algumas pessoas dizem que a pressão foi tão forte no momento da saída que Allelujah foi disparado, como uma bala de canhão, matando as duas enfermeiras que tentaram segurá-lo. Então essa era a cena: a mãe, exausta e morrendo devido a perda de sangue e um monstro pequeno bebê recém-nascido chorando entre os corpos das enfermeiras mortas. Ao levarem o garoto até a progenitora, ela só teve forças suficientes para dizer uma frase antes de morrer: “aleluia, essa coisa finalmente saiu”. No dia seguinte as enfermeiras fizeram uma votação para decidir um nome para o garoto. Os nomes finalistas foram Aleluia e Evanedilson, sendo que o primeiro ganhou com apenas meio voto de vantagem (não me pergunte como). Para ficar mais bonito, ficou decidido que o nome seria escrito em inglês.
A segunda possibilidade é que o nome foi resultado de uma cantada aplicada em Allelujah por uma garota cega, surda e muda quando ambos eram apenas crianças. Mas isso é muito improvável.

Biografia[editar]

Infância[editar]

Após seu nascimento, Allelujah foi levado para ser criado em um lugar terrível. Um local onde ele e outras crianças eram vítimas de experiências, torturas mentais, cascudos e cuecões. Esse lugar era conhecido como Instituto Xavier para Jovens Dotados de Pesquisa de Super-humanos. Ou simplesmente Escola Municipal, chame como preferir. Foi nessa instituição que Allelujah desenvolveu uma segunda personalidade, que para diferenciar-se de seu lado gay bonzinho, adotou o nome de Rá!llelujah. Também teria sido lá que ele encontrou a garota que o amaldiçoou com um nome desses.

Fuga[editar]

Depois de anos aturando cientistas, professores chatos e bullyies, Allelujah e seus amigos decidiram que a melhor coisa a fazer seria roubar algumas armas, uma nave e fugir daquele lugar, para nunca mais voltar. Um plano bom, se não fosse pelo fato de eles estarem dentro de uma colônia espacial e não terem planejado para onde ir e nem quantos mantimentos levarem na jornada. Encurtando a história, a nave ficou sem energia, os alimentos começaram a acabar, e Rá!llelujah decidiu tomar conta do corpo de seu parceiro e se matar todas as outras crianças que estavam na nave. Adorável.
A seguir, um pequeno trecho da conversa entre Rá!llelujah e uma de suas vítimas:

-Muito bem, vamos fazer assim. Se você responder uma pergunta, eu lhe deixo viver. Certo?
-C... certo
-O que é pequeno, rápido, cinza e pode matar alguém?
-uma bala?
-ACERTOU!
BANG!

Adolescência[editar]

Não se sabe muito sobre esse período de merda conturbado da vida de nosso amigo Meister, mas evidências indicam que Allelujah, após sobreviver à nave e chegar na Terra, teria virado um morador de rua. Lá, ele foi encontrado por um membro de uma organização misteriosa, conhecida como Celestial... alguma coisa. Essa pessoa ofereceu a Allelujah a chance de juntar-se ao seu pequeno grupo terrorista. Caso aceitasse, ele teria tudo o que sempre sonhou: uma casa, garotas, comida, garotas, amigos, garotas, um Playstation 3, uma Tecpix... e mais garotas. Allelujah aceitou sem pensar duas vezes.
Ah... Na oferta também tinha alguma coisa sobre virar um assassino em massa e pilotar um robô gigantesco e assassino, mas isso não teve a menor importância em sua vida.

Allelujah tentou ganhar dinheiro vendendo facas nas ruas, mas por algum motivo todos fugiam quando ele mostrava seus produtos

Gundam 00[editar]

Primeira Temporada[editar]

Durante a primeira temporada, Allelujah foi um personagem um tanto quanto inexpressivo. Ignorado pela audiência e zoado pelos outros Meisters devido à sua aparência, Allelujah não fazia muito a não ser bombardear um alvo aqui, atirar em um robô ali e fazer um ou dois comentários infelizes por episódio. Seu primeiro feito realmente memorável foi, ironicamente, algo que o levou a ser preso por seus próprios amigos.
Um dia, feliz e serelepe por finalmente ter voltado ao espaço, Allelujah começou a sentir fortes dores de cabeça dentro da estação. E o Quico? Essas dores de cabeça teriam sido causadas por uma viadagem interferência, causada pelas ondas cerebrais de uma certa soldado, Marie Parfacy. Devido a essa interferência, Marie atacou a estação, mandando um bloco cheio de pessoas em direção à Terra. Muito bem!
Allelujah então fez o que qualquer ser humano racional faria: abandonou sua missão e resolveu resgatar aquelas pobres almas. Esse ato heroico só é chamuscado quando lembramos que ele foi indiretamente responsável pelo acidente, mas isso não vem ao caso, certo?

Cquote1.png Abandonar meus amigos e missão para salvar algumas pessoas que eu nem conheço? Incrível! Cquote2.png
Allelujah
O resgate foi um sucesso, mas mesmo após ser liberado de sua cela, Allelujah ainda era atormentado devido ao seu passado e, agora, por saber que existe no mundo mais alguém como ele – um lunático super poderoso criado pelo governo. Então, demonstrando mais uma vez sua extrema inteligência, Allelujah fez a coisa certa: surgiu com uma missão para invadir uma colônia habitacional e destruir o prédio onde ele foi criado. Que, por mancada do destino, estava cheio de crianças.

Cquote1.png Invadir uma colônia e assassinar centenas de crianças? O mundo vai nos amar depois dessa! Cquote2.png
Allelujah
Após essa pequena sidestory, Allelujah voltou às suas tarefas habituais: atirar, bombardear, chorar pela morte de Lockon Stratos e ser capturado pelo inimigo no final da temporada. Mas é muito imprestável

Segunda Temporada[editar]

Após ser capturado, Allelujah passou quatro anos preso em um hospício prisão de segurança máxima, onde, para a alegria da audiência, sua franja foi cortada. Também foi lá que ele descobriu que sua arqui-inimiga é na verdade a garota pela qual ele se apaixonou quando era criança.
Você, caro leitor, deve estar imaginando “Bom, aposto que na segunda temporada ele tem mais importância, certo?” Infelizmente, não. Após ser resgatado, Allelujah consegue a façanha de repetir com perfeição o que fez quatro anos antes: não fazer nada importante, tendo apenas uma sidestory para parecer um personagem mais complexo. E tudo fica ainda pior quando lembramos que seu charme sua segunda personalidade, Rá!llelujah Cabra-Macho, está morto. Novamente, não me pergunte como. Provavelmente foram os remédios

Cquote1.png Tá, mas e a sidestory? Cquote2.png
Você
Calma, eu vou chegar lá. Depois de seu resgate, Allelujah e a tripulação da Pitágoras Ptolemaios entrou em combate com um esquadrão inimigo, onde estava sua “arqui-inimiga/namorada”. Dando continuidade ao seu histórico de atos geniais, Allelujah resolve fazer a coisa mais romântica possível: no momento em que seu Gundam é criticamente danificado, ele segura-se na máquina de Marie, arrastando os dois para uma ilha deserta, dizendo que nunca mais a largaria. Romântico, se não tivesse quase matado ambos em uma bola de fogo flamejante.
Mas funcionou, de certo modo. Na ilha Marie ficou louca devido a uma pancada na cabeça recuperou sua antiga personalidade, apaixonando-se por Allelujah e fazendo dele oficialmente o primeiro Meister a conseguir uma namorada, feito que é motivo de orgulho para ele até hoje. Ou amanhã, isso ainda não ficou bem claro.
E depois? Bom, digamos que depois do final da guerra ambos viraram eremitas e passaram a peregrinar pela África. Fim.

Arquivo:Allelujah5
Tá certo, essa não é a Marie. Mas pelo menos ele tentou

Cquote1.png Que final mais tosco Cquote2.png
Você sobre Final da epopeia de Allelujah
Nós sabemos, mas não podemos fazer nada se os roteiristas resolveram terminar a história assim. Garoto chato...