Antônio da Costa Santos

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Death--.jpg Antônio da Costa Santos já morreu!

De visita agora, só urubu!

Clique aqui pra ver quem te espera no inferno

Hammer and sickle.png Este artigo foi aprovado pelo Conselho de Proteção à Moral da Família Soviética como sendo livre de conteúdo subversivo.


Bandeira do Estado de São Paulo.svg.jpg Salve, mano! Este artigo é paulista: não gosta de gaúcho nem de carioca e se acha um puta trabalhador, né, meu! E não tá completo, pois o vacilão foi tomar um chôps e dois pastel, meu!


O pai do Marco Luque foi prefeito. Por um tempo só...

Antônio da Costa Santos, ou Toninho do PT (São Paulo, 4 de março de 1952 — Campinas, 10 de setembro de 2001) foi um político brasileiro e ex-prefeito de Campinas. Ex porque perdeu o mandato na base da bala.

História pregressa[editar]

Não sei. Só sei que ele veio de Sampa, mas foi morar em Campinas, cidade que no início dos anos 2000 já era a maior putaria. Roubos, assaltos, mortes e crime organizado, além de gente que vivia sendo levada pra passear a força numa casinha bizarra. Inclusive o próprio Toninho foi vítima de um assalto também antes de virar prefeito de lá, onde ele usou isso no debate pra mostrar que ele era gentem como a gentem.

Como ele era também arquiteto, ficou famoso por restaurar um monumento velho da porra de Campinas chamado Casa Grande Entulha, o IPHAN tombou em 2011 como patrimônio histórico (ou seja, largou pras traças).

Curto mandato e pirulitação[editar]

Em seu programa eleitoreiro ele prometia dar fim aos roubadores de pirulito da cidade, pois que era uma vergonha roubar pirulito da mão de criança por lá. Além de incomodar o crime organizado de lá, que era abastecido por esses lollipops, ele também deixou muito empreiteiro com rage trigged por diminuir valores de contratos milionários pra fazer a merenda dos colégios municipais, e também ampliar o Viracopos que na época mal dava pra virar um único chope.

A puliça afirma que teoricamente o prefeito teria fechado com o carro de algum grupo aleatório de bandidos na noite de 10 de setembro de 2001, que acabaram não curtindo esse rolê e despacharam o prefeito na base da bala. Mas essa conclusão (que inclusive não levou ninguém em cana) não convenceu ninguém da família e até hoje acredita-se que a turminha do PT que mandou dar um sumiço no prefeito. Aliás, no ano seguinte, poucos meses depois, foi a vez de Celso Daniel, prefeito de Santo André, virar presunto, o que reforça a tese de extermínio de prefeitos do PT que prestavam mesmo pra alguma coisa (ou não).

Pro azar de Toninho, a imprensa brasileira esqueceu dele completamente porque no exato dia seguinte, 11 de setembro de 2001, alguns malucos jogaram aviões de papel no World Trade Center e daí meio que ninguém lembra muito do Toninho do PT até hoje.