Coração Valente

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Coração Valente
Braveheart
Coração Valente (BR)
Bravo Coração - O Desafio do Guerreiro (PT)
Braveheart cover.jpg
Poster do filme
Bandeira dos Estados Unidos Estados Unidos
1995 • Colorido • 5 anos
Direção Mad Max
Elenco Mel Gibson como Mel Gibson
Sophie Marceau como princesa que não deveria estar ali
Patrick McGoohan como Rei filha da puta
Gênero Alguém não leu o livro de história
Distribuição 20 Centuriões Raposa


Cquote1.png Pareço normal, mas sempre faço salgadinho de cebola como anel Cquote2.png
célebre frase de William Wallace no filme
Cquote1.png Vai matar um monte de gente, mas no final ó "sinal de degola" Cquote2.png
Faustão sobre Wiliam Wallace, sendo fdp ao contar o final do filme em pleno intervalo da Tela Quente e dar o primeiro spoiler da história em 1998

Coração Valente é um famoso filme que narra a biografia e história do maior herói da Escócia, Mel Gibson, também conhecido como "Jesus Celta". O filme foi um grande sucesso de bilheteria, arrecadou US$ 15 milhões em seus primeiros cinco segundos, muito devido a pessoas que queriam ver o personagem de Mel Gibson morrer com bastante sofrimento. O lucro foi alto porque para ser produzido o filme gastou apenas um total de US$ 100.000, doado sobretudo pelo Partido Nazista, já que Gibson sempre foi popular entre seus colegas arianos. Foi um filme tão bem sucedido que gerou uma continuação, O Patriota, filme esta que não teve grande sucesso e por isso não ocorreu o terceiro filme da trilogia. Dirigido também por Wallace, o filme apresenta a inconfundível marca registrada do diretor australiano: todo judeu, gay ou minoria étnica presente nas duas horas de filme morre de maneira atroz.

Wallace afirma ser um escocês no filme, embora seu sotaque sugira que ele é apenas um australiano fazendo uma tentativa frustrada de soar escocês, tanto que Quando Wallace é torturado no final pelos ingleses para que ele revele sua verdadeira nacionalidade, quando a tatuagem de "Third Reich 4 Life" fica claramente visível.

Enredo[editar]

Clássica cena em que mel Gibson expõe sua visão de como são os escoceses.

O filme conta a história do rei inglês Eduardo Unhas Longas, monarca responsável por anexar o norte da Inglaterra ao Reino Unido e como ele teve que lutar contra seu filho gay, contra o escravo sexual de seu filho e contra homens loucos de saias para manter a natureza incestuosa do império inglês e o Reino Unido unificado como diz o nome. O filme nos conta como Eduardo formulou uma estratégia brilhante para conquistar essas terras, consistindo em matar todos os líderes de seus inimigos e dar as terras conquistadas para senhores confiáveis, para que as pessoas se acostumassem a viver em terras inglesas onde teriam saúde, educação, segurança, bom futebol e civilização em geral.

Infelizmente, por alguma razão, os escoceses não gostaram do fato de que os ingleses estavam dominando suas terras e recebendo impostos justos por isso, e por isso decidiram se revoltar, embora muitos nem estivessem sabendo porque diabos estavam em guerra, tanto que cenas de escoceses desmotivados é bem comum. Então o filme foca-se na trajetória do vilão Wallace William, líder dos badernistas da rebelião, retratado com fidelidade pelo feroz anti-britânico, anti-judeu, torcedor do Leeds United, Mel Gibson. Wallace passa a criar baderna, causar desordem, praticar desobediência civil, fazer terrorismo e participar de atos aleatórios de violência enquanto o Rei Eduardo precisa desesperadamente descobrir como conter esse lunático perigoso para restaurar a ordem no território inglês. Infelizmente, apesar de mal caráter, William também era um mestre estrategista e lutava com um frenesi desumano contra o exército de almofadinhas ingleses, usando uma estratégia bastante excêntrica que consistia em mostrar seu "cu" para os ingleses enquanto objetos longos em forma fálica voavam em sua direção.

Os soldados do Rei Eduardo não podiam fazer nada para deter a sede de sangue de Wallace, mas uma pessoa idosa afetuosa e doente conseguiu informar às autoridades através do Disque-Denúncia os paradeiro William, que foi preso antes que pudesse causar mais danos.

Apesar de toda maluquice, pelo menos temos no filme um final feliz com a condenação de um terrorista lunático. O Rei Eduardo, é claro, o único ponderado no filme inteiro, até tentou ser misericordioso, mas William continuou testando sua paciência, pois mesmo condenado à morte, Eduardo deu a ele uma última chance, pedindo-lhe: "Por favor, pare com isso. E se curve diante de mim. E assim deixe-me ajudá-lo". Mas William recusou a oferta e apenas gritou a célebre frase "FEEEEEEEEEMMMDOOOOOOOOOM!!!" em memória à sua esposa morta por ingleses no começo do filme, a origem de toda sua amargura, por quem ele sentia tanta falta das sessões de BDSM que sofria com ela. Eduardo sentiu pena dele, pois Wallace estava claramente louco, e assim teve misericórdia do homem, matando-o logo de uma vez. Em seguida, o filme mostra a queda do reino de Eduardo, quando Bruce, um dos filhos de William que sofreu lavagem cerebral, levou outro bando de loucos para matar muitos outros ingleses imundos.

Fidelidade histórica[editar]

O filme tem sido criticado pelos historiadores por "retratar os acontecimento histórico num fluxo quase contínuo e completo de besteiras com muito anacronismo". Para contar as façanhas do patriota escocês William Wallace de maneira mais épica, alguns detalhes ficcionais precisaram ser inseridos, e outros fatos omitidos, pois a ideia era fazer um filme, não uma aula chata de história, mas isso é um mérito, não uma falha. Dessa forma percebemos detalhes como o fato de que a rainha Isabela, gostosa da França nunca conheceu Wallace porque ela chegou na Inglaterra 3 anos depois de sua morte, além de que Wallace não era um ex-marine traumatizado pela Guerra do Vietnã e não derrotou os britânicos graças a uma aliança com o Talibã e também não há notícias de descobertas de nunchaku na Escócia medieval.

Mas, fora pequenos detalhes que mais contribuem ao filme do que atrapalham, a realidade dos eventos históricos foi perfeitamente respeitada, o que levantou críticas e acusações de anti-britanismo por parte do filme, devido às cenas fielmente verídicas onde os ingleses são retratadas de propósito como cruéis, imundos e burros, sem razão alguma.