História do Brasil

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Aviso importante: Politicagem aqui NÃO, cazzo!
A Desciclopédia é um site de humor, logo, NINGUÉM aqui se importa com sua opinião sobre a TAM, o PUM ou o PAC. Seja engraçado e não apenas idiota.
Este artigo é relacionado à história.

Ele conta o que aconteceu desde a pré-história até os tempos quase atuais.

Hitler e Alien.jpg

Cquote1.png ?... Cquote2.png
Doutor Roberto sobre a História do Brasil
Cquote1.png Realmente eu estive lá! Cquote2.png
Edson Soares sobre a história do Brasil
Cquote1.png Eu também estive! Eu tava lá quando descobriram, porra! Cquote2.png
Dercy Gonçalves sobre a história do Brasil
Cquote1.png Brasil? No conozco. Cquote2.png
Argentino sobre o Brasil

A Retirada da Cobertura do Brasil[editar]

"Indias peladas a vista" — Pedro Álvares Cabral.

Lá pelos idos do século XV, os portugueses, totalmente grogues, depois de uma noitada na Casa da Mãe Joana, lançaram-se ao mar em busca de novas terras. A empreitada inicialmente foi um enorme fracasso: os portugueses conseguiam nadar apenas por alguns quilômetros antes de contraírem câimbras e morrerem tragicamente. Preocupados com a possibilidade de mais mortes por afogamento (de ganso) procuraram outras formas de se aventurarem pelos mares bravios de então (Leia sobre Relatos de Cabral no alto-mar para mais informações).

O sucesso só foi obtido muito posteriormente, com a confecção de um gigantesco barco de papel, a partir da colagem de todos os jornais de Lisboa. Como medidas clonaram a Arca de Noé, já que os direitos autorais haviam caído em domínio público. Conta-se que especialistas japoneses, peritos na arte do Origami, desembarcaram em Portugal para comandar a bem-sucedida empreitada. Foi assim que Pedro Álvares Cabral, famoso bardo e analista de sistemas português (autor de vários sucessos como: "Ó gajo, cadê meu barco?", que alguns séculos depois foi adaptado para o cinema no filme americano "Dude, where's my boat?") entrou para a história, por desenvolver um software básico para suas embarcações e navegações.

Para isso, Pedroca, como era conhecido, desenvolveu uma nova linguagem de programação, chamada Portugol. Com o sucesso do software criado na nova linguagem, Pedroca foi indicado para navegar em uma turnê pelo Atlântico.

Durante a viagem foi atacado por uma grande serpente marítima, que não seria lá grande problema não fosse um pequeno detalhe: a serpente soltava fogo pelas ventas e logo o barco de Cabral estava pegando fogo. O software desenvolvido por Pedroca e sua equipe de programadores Lusitanos era tão "inteligente", que ao detectar chamas em pontos estratégicos da embarcação, abria buracos no casco do navio para apagar o incêndio (o que não serviu para muita coisa pois o navio afundou depois, e eles tiveram que usar um passarinho de papel para continuar).

Para sorte dos gauleses, o software não detectou o fogo devido a um bug do sistema operacional utilizado na embarcação, que era o Portuga-UX. Desesperados, os Lusitanos recolheram água do mar e apagaram o fogo. Mas com o bug ocorrido, o software básico das caravelas sofreu um Buffer Overflow, e efetuou um posicionamento equivocado das velas, fazendo com que a embarcação de Pedroca tomasse o caminho correto para o destino planejado desta vez, já que Pedroca era vesgo e sempre errava o caminho.

Isso fez com que chegassem em uma praia do Sílvio Santos Brasil, mais especificamente na hoje famosa praia de Minas Gerais, Cabo Frio, que mais tarde verificou-se ser a mesma onde o famoso dentista Tiradentes foi enforcado após ter feito um canal muito mal feito em um Delegado local, que descontente, o enforcou. Antes de morrer, teria dito: "Se sete dentes eu tivesse, sete dentes eu daria pelo Brasil", em uma clara amostra da primitividade da odontologia do país, que se iniciava época, pois a média de dentes de um homem adulto era 3,14 (o popular 'pi'). Logo que desembarcou, Cabral ficou confuso com o que viu: uma enorme treliça de palha cobria toda a terra.

Curioso, Cabral mandou seus homens puxarem a treliça (gastando alguns dias nesse processo) e jogou-a no mar, ficando caracterizado, portanto, o descobrimento do Brasil (mais tarde se descobriu que a treliça foi feita por índios xenófobos muito primitivos que acreditavam que se eles não podiam ver o mundo exterior, ninguém poderia vê-los também). Cabral desejava fazer do Brasil um imenso palco para seus shows, mas infelizmente a Coroa portuguesa confiscou o Brasil, deixando-o na mão. BRINCOU COM A TIA NÉ?

Azar deles, pagaram o maior mico. O Brasil era cheio de riquezas, ouro e pedras preciosas, que foram contrabandeadas pela Coroa Inglesa (naquela época era um rei quem reinava na Inglaterra, mas dizem as más línguas que ele era ela). Ai mandaram os padres Jesuítas tomarem conta das indias, como eles tavam tudo seco de muié mandaram braza, por isso o nome do Brasil, veio do brazeiro que aconteceu.

A descolonização do Brasil[editar]

Olha aí a galerinha saindo da arca!
...que foi muito bem recebida!

Quando os ilustres navegadores portugueses chegaram ao brasil, depararam-se com um local desprovido de seres Humanos. Havia apenas alguns Humanóides peludos a violarem-se mutuamente. Devido ao reduzido tamanho dos "paus" destes seres, os portugueses não conseguiram distinguir os machos das fêmeas. Um ano mais tarde, foi encontrada uma maneira de domesticar esses bichos bizarros. Foi o tenente Rodrigues que ao espancar um dos seres o conseguiu faze-lo ir apanhar cocos. Foi assim que se escolheu o nome para essas criaturas - brasileiros. Brasil na altura tinha um significado similar a "atrasados mentais", um nome que se adequava perfeitamente à situação. A este acontecimento, sucederam-se muitos anos de escravatura animal. Os Portugueses deram folga aos escravos africanos para dar trabalho aos brasileiros, seres com uma inteligência ainda mais reduzida que os originários de africa. Após anos a recolher minério, os brasileiros foram adotados por um criador profissional de animais : D.Pedro I. Foi graças a este famoso criador de animais genial que se conseguiu formar o que hoje se chama Brasil. Apesar de D. Pedro não ter conseguido fazer com que os brasileiros ficassem mais inteligentes ou com paus maiores, conseguiu unificar uma criação de gado gigante, e sobretudo, ensiná-los a roubar - característica fundamental verificada ainda nos dias de hoje.

Inicialmente, Portugal explorou as novas terras como pôde: brigou com os ingleses para que o puteiro ouro fosse primeiro para os cofres do Rei João, ele tirava dez por cento para ele e com o resto pagava as contas de Portugal, contratou um jardineiro e enfeitou Lisboa com palmeiras importadas, contratou índias da casa da Jeanne, para seus cabarés, inventou várias receitas com mandioca para seus restaurantes. Entretanto, o país vizinho, a Espanha, logo entrou com representação na OMC (Organização Mundial de Carnificina) dizendo que Portugal não poderia explorar as novas terras se não pretendia povoá-las, e portanto, a posse deveria ser sua.

Contrariada, Portugal resolveu colonizar o Brasil, recorrendo, para isso, à Bíblia. Seguindo o exemplo de Noé, Portugal construiu uma grande arca de madeira, colocou mercenários de toda espécie, alguns políticos, ocorre que colocou um casal de cada espécie desses animais além de outros da Europa e da África e enviou ao Brasil. Infelizmente a organização ficou um tanto precária, e devido ao cruzamento entre as várias diferentes espécies que estavam ali, quando o Noé português desembarcou no Brasil nenhuma espécie lembrava mais as que haviam embarcado originalmente, sendo daí, portanto, a explicação para a biodiversidade brasileira. Os habitantes originais também chamados de índios que restaram foram todos deportados para o Pólo Norte, onde fundaram comunidades e tornaram-se esquimós.

O Carnaval foi inventado pouco depois, na tentativa de atrair portugueses para o Brasil, sendo relativamente bem-sucedido.porque os potugueses era muito tarados e gostavam de ver a bunda das indias. e por aí vai!!!

A Corte Portuguesa no Brasil[editar]

Crystal Clear app xmag.pngVer artigo principal: Fuga da Família Real
A corte vai para o Brasil

No início do século XIX, a família irreal portuguesa havia contraído muitas dívidas devido aos hábitos do rei D. João VI, um rei muito traquinas e fanfarrão (e gordo). Assim, decidiram imigrar para o Brasil devido à taxa de câmbio favorável, fugindo dos credores (a história desta imigração é mostrada no grande sucesso da teledramaturgia brasileira, "Terra Nostra, ó pá"). A estratégia funcionou muito bem, e os credores ficaram impossibilitados de cobrar as dívidas judicialmente, pois não havia relações diplomáticas entre Brasil e Portugal na época. D. João VI trouxe consigo muitos artistas de circo de Portugal contribuindo para o florescimento da cultura circense no Brasil.

Alguns anos depois D. João VI voltou à Portugal, pois já havia recuperado seu patrimônio investindo na Bolsa de Valores e poderia pagar facilmente as dívidas agora. O rei acidentalmente se esqueceu de levar seu filho, Pedro I, com ele (ou segundo alguns historiadores, esqueceu propositalmente pois o rapaz era infernal; fato esse que foi posteriormente dramatizado no popular blockbuster brasileiro "Porra! Esqueceram de mim!"), ficando este tomando conta de alguns assuntos menores do reino.

Como o moleque ficou sozinho decidiu criar suas próprias leis, criando muitas saias justas para o "papi" e a tchurma lá da terrinha já tava encanada com ele e afim de mandá-lo pra PQP mais não podiam fazer nada então começaram a arrumar umas guerrinhas pra atormentar o probre Pedrinho. Pra se consolar o Pedrinho ia encontrar-se com a marquesa na cidade de Santos. Ela era uma espécie de "mãe da zona". Era a prostituta mor. Quando conseguiu agarrar o menininho não largou mais.

A Independência do Brasil[editar]

Pessoas correndo de D. Pedro I enquanto este declara a independência sem querer do Brasil às margens do Ipiranga.

Conta-se que D. Pedro I, após uma farta refeição regada a pratos feitos com repolho, pimentas e feijões,com mangas de sobremesa(ver pudim de manga), estava em sua habitual cavalgada diária às margens do rio Ipiranga quando um mal súbito o acometeu. Correu até a moita mais próxima aliviou o peso que lhe dava uma dor de barriga forte !. Após o ato pediu ao lugar-tenente, conhecido por sua falta de memória, em razão da idade, coitado - 97 anos, folhas de Bananeiras, para limpar-se, ao que o serviçal informou dizendo: - acabaram-se as folhas, e esquecime-me de trazer reservas, tens de limpar-se com as mãos. D. Pedro I , irritadíssimo bradou então, enraivecido: "Esse intendente é de Morte" Infelizmente - talvez para o Brasil, e por sorte de Portugal, os criados que estavam próximos entenderam isto como "Independência ou Morte!" e ao ser indagado, D. Pedro I não pôde corrigir a frase sob risco de ser motivo de riso, notinhas de jornais e fofocas na Europa. Como Portugal já estava farto do Brasil àquela altura, não fez questão nenhuma de defender o território e logo o Brasil estava independente. O quadro de Pedro Américo exposto no Museu do Ipiranga ilustra muito bem essa cena. É possível observar os cavalos atrás fazendo careta por causa do mau cheiro. Esse fato notório é verdadeiro e requer muita atenção por parte de nós observarmos que toda essa informação ficava escondida no passado nas escolas.

Império brasileiro - Primeiro Reinado[editar]

Depois de "independer" o Brasil, Dom Pedro I tratou de governar de fato o país. Mas seu governo era formado por portugueses, e como todos sabem, portugueses são burros. Então Dom Pedro I passou boa parte de seu mandato (eterno) outorgando constituições e.... mijando! Sim, ele adorava mijar. Mulheres da corte, como a Marquesa de Santos (Pelé), escravas, prostitutas, deputados, animais da fazenda, mais mulheres, e por aí abaixo. Ele contraiu de uma só vez da Chica da silva, AIDS, HPV, Herpes, Hepatite B + C , Gonorréia, Sífilis e EBOLA.

Cansado de Mijar, e doente, ele tentou se apoderar do trono de Portugal. Mas todo mundo tava de saco cheio dele, e ele, inspirado em Jânio Quadros, abdicou em favor de seu filho, que nesa época ainda era um embrião na barriga de uma prostituta qualquer, o Pedrinho Segundo.

por si só Peidinho Segundo depois de ter mijado todas ,se molhado totalmente ,pois seu navio não aguentara tanta doença ,teve de se ausentar por uns tempos em uma ilha deserta onde conheceu um vista maravilhosa e com muitas indias para mijar e mijar por toda a eternidade.

Império brasileiro - Segundo Reinado[editar]

Bandeira do império

Depois de um breve período de regência, em que Diogo Feijão se apoderou do Brasil, e que os gaúchos tentaram se separar do Brasil (para liberar o casamento gay (que nem eu)), D. Pedro II subiu ao poder, com a ajuda dos liberais. No poder, ele ficou brincando de boneca, colocando ora os liberais ora os conservadores no poder (O PFL já estava no poder nessa época). O seu governo também era uma merda, ele puxou ao pai.

Mas um milagre veio, o café! O Café salvou o Brasil da miséria, sendo que nós nos transformamos o MAIOR exportador de cafézinho do mundo, além de banana, açúcar e várias coisas de alto valor agregado. Mas os cafeicultores paulistas queriam poder, e Geraldo Alckmin liderou o processo de proclamação da República, com a ajuda da Opus Dei, usando sua super dicção e seu discurso sobre moral e seriedade.

República Velha[editar]

O presidente Nilo Peçonha se dedicou a falar mal dos inimigos da República
Deodoro da Fonseca era eunuco, e sentia dificuldades para urinar, urinando várias vezes pela boca e nariz e foi deposto depois de um malogrado golpe de estado. Floriano Peixoto (O ator!) queria desenvolver as indústrias, e foi deposto por banqueiros ingleses.

Depois vieram um montão de presidentes que todo mundo colou do nerd do lado na prova da 6ª série, só lembrando que era um monte de paulistas e mineiros, na chamada política do Goiabada-com-queijo. Mas, em nome da boa cultura inútil, segue uma lista resumida desses ilustres senhores e seus feitos esquecidos memoráveis:

Mas os cafeicultores eram viciados em cafeína, e consumiam toda a produção de café em capuccinos, mocaccinos e outras bebidas sofisticadas. Com a crise de 1929, o império do café foi derrubado... por...!

República Populista[editar]

Getúlio Vargas. República Populista tem esse nome devido à grande contribuição da filósofa Sílvia Popovic. Getúlio estava com um problemão, porque os estadunidenses quebraram e não podiam comprar nosso café. Aí ele resolveu jogar todo o café no mar, e estimular a industrialização. Para isso ele deu um golpe de estado, usando como desculpa a tentativa de subida dos petistas ao poder, no Plano Cohen-José Dirceu. Mas aí o Brasil entrou na Guerra contra os nazistas e o eixo, e Getúlio foi deposto do poder por ACM e Jorge Bornhausen. Em seu lugar, ficou Eurico Gaspar Dutra, o qual foi um grande porco gordo intelectual. Porém, Getúlio como era Cabra Macho (alguns defendem a tese de que Getúlio seria parente de Jeremias, o único Cabra Macho do sertão). Getulio toma o poder de volta, mas tem um problema com o antigo jornalista da Rede Globo de Televisão, Carlos Lacerda, mas como era Cabra Macho, e tava tomado, matou o cara errado, o Capitão do Bope na época, Capitão Rubens Vaz. Getulio com medo do Bope fazer o que fez com o Baiano, se suicidou.

Juscelino Kubitschek[editar]

O presidente Juscelino KomeCheque é o criador do Pedala Robinho

Juscelino é caracterizado pelas fanfarras de domingo a noite, era um homem muito ocupado e pegador (Dercy que o diga), mas, ele tinha um plano muito bom para o Brasil, o 5 Anos em 1 milênio, no caso, 5 anos de dividas para serem pagas em um milênio, isso pra que? Pra construir a cidade de Brasília, aonde os fanfarrões da sábado roubam os cofres públicos para pagar a tosa do cachorro e da mulher; estranhamente Juscelino tornou-se o homem mais rico do Brasil após erigir Brasília, será que seu sobrenome KomeCheque veio deste despercebido fato? Prá completar sua merda obra JK também criou a SUDENE (Superintendência de demência Nordestina) e a ISEB ( Instituto do estudante burro).

Janjão[editar]

O presidente João Goulart Passa as horas vagas trabalhando de segurança em um grande programa de merda humoristico nacional

Depois do demente do JK, veio a república Janjão, em que o governo ficou amiguinho de Chê-ga numa vara, e do FMI (Fundo Muito Interno), Jânio Quadros, burro como um quadro, pede demissão da presidência achando que a oposição ia querer ele de volta (já que a oposição era oposta a João Goulart), porém, não foi o que aconteceu e João Goulart tomou a presidêcia.

Os ricássu tinha medo do Jango, porque achavam que ele comia criancinhas, e por causa disso veio o Parlamentarismo, em que o Primeiro Ministro é o manda chuva e o presidente só serve pra encher linguiça. João Goulart sem o que fazer começa a trabalhar de segurança em um programa humoristico muito conhecido entre os amantes das piadas do titio Onofre, logo ganhou o afeto do povo que o pedio de volta a presidência.

Ditadura Militar[editar]

Ditador Presidente Mérdici para o chefe do DOPS, seu assessor e cabelereiro: "Quero todos esses terroristas subversivos no Pau de Arara... e sem vaselina, entendeu?".

João Goulart (vulgo Jango) era o presidente, porém, estava em viagem à China tratando de negócios de interesse popular. Os militares temendo que Jango voltasse com ideais comunistas o depõem e instauram uma ditadura militar no Brasil. Temendo que a democracia mundial fosse abalada, os Estados Unidos da América apoiaram o golpe contra Jango, pois temiam que o Brasil virasse uma Cuba.

Dentro das forças armadas brasileiras, existia ainda uma divisão entre os moderados (Castelo Branco, Geisel e Figueiredo) e a linha dura (Costa e Silva e Médici). Os grupos concorrentes entre si defendiam pontos de vistas diferentes: a linha dura defendia o fascismo exterminando os chamados subversivos e ficando eternamente no poder, acabando definitivamente com a democracia e a liberdade. Já os conservadores, tinham por doutrina a tradição da moral e dos bons costumes, numa época em que o Rock'n'Roll explodia e os jovens se tornavam cada vez mais rebeldes. Contudo, estes eram a favor do fim da Ditadura Militar, pois não entendiam nada de política e preferiram deixar a presidência da república nas mãos de homens muito honestos, para assim voltarem ao seu papel institucional: a defesa do Estado, a garantia dos poderes constitucionais e (por iniciativa desses poderes) da lei e da ordem.

O Congresso Nacional foi dissolvido e começou-se uma ditadura para evitar outra ditadura. Vieram dezilhões de Atos Institucionais criados por Whitecastle. Então, seguiu-se o mandato de De Costas para o Silva que censurou todos os meios de comunicação do país, com a criação do AI-5. A ditadura atingiu o auge de sua popularidade na década de 1970, com o "Milagre econômico", no governo de Mérdici. Anti-comunista paranóico, obteve a patente de torturador assassino e assim alcançou um lugar na história ao lado de nomes como Hitler, Pinochet, Stalin e Franco. Nos Anos de Chumbo de seu governo, houve a Guerrilha do Araguaia, um esforço de guerra inútil com apenas 80 guerrilheiros comunistas contra 5000000000000000000 soldados do exército brasileiro. Contudo, militares a favor da democracia como Gases iniciaram um lento processo de abertura política, que enfim terminou no governo do general FiGAYredo, (aquele que amava os cavalos), apesar da oposição de militares satanistas linha dura como o Mérdici.

Com medo de serem procurados pelos crimes cometidos pelas forças de repressão do regime, foi criada em 1979 "A Lei da Anistia", que os isentou da apuração das responsabilidades sobre seus crimes. Ou seja, ficaram no esquecimento as infrações aos direitos humanos, que foram um dos motivos para o desgaste do regime militar, assim como os muitos militares que foram assassinados pela oposição.

No final do governo de Figueiredo, o país estava literalmente numa merda com o agravamento da crise econômica e da inflação, já que apesar do crescimento do "Milagre Econômico", não houve redução das desigualdades sociais e nem diminuição da pobreza. Ocorreu a campanha Diretas Já que contou com representantes de diversas correntes políticas e de pensamento, unidas pelo desejo de vingança eleições diretas para presidente da República, com comunistas como Lula se aliando à capitalistas como FHC, além de artistas e intelectuais engajados pela causa. Como podemos ver, ninguém mais queria saber dos mílicos no poder e eles finalmente caíram. MWAHAHAHAHAHA!

Nova República: Governo Tancredo Sarney[editar]

Tancredo Neves (1886 - 1985) foi avô do ex-governador ladrão de Minas Gerais, Aécio Never. Foi eleito indiretamente. Mas nunca tomou posse, já que o mataram morreu na véspera e o desgoverno ficou com José Sarney, vulgo Zé das Sarnas que fodeu desandou o Brasil com o Plano Cruzado, criando a maior inflação jamais vista na história do país. Em seu desgoverno, o Sarney às custas de grande endividamento externo, realizou faraônicos desvios de dinheiro público e ampliou a sua presença na economia do Maranhão, quer seja nas áreas de comércio e energia como nas telecomunicações e bancos.

O Impeachment de Collor e o governo de Itá mal Frango[editar]

Collor, o Caçador de Marajás

Fernando Collor foi eleito em 1989, através de seus programas eleitorais que a Rede Globo fez questão de transmitir e retransmitir exaustivamente, onde ele mesmo atuava, se achando o tal e derrotando Lula facilmente. Conhecido como o "Caçador de Marajás", mais tarde em 1992, descobriu-se que o próprio Collor, era na verdade o maior Marajá de todos os tempos! Com isso, não terminou o seu devaneio mandato, tendo sofrido um processo de impeachment, mas voltou a vida política anos depois, como senador, onde voltou para roubar mais um pouco.

Itamar Franco assumiu o governo brasileiro após o impeachment de Collor e assim ganhou o Prêmio Nobel ao lado de Fernando Henrique Cardoso com a criação do Plano Real, que salvou o Brasil do recesso. Depois disso, Frango ficou no ostracismo e passou vários anos como mecânico, consertando fuscas no interior de Minas Gerais.

Governo de FHC[editar]

FHC assistindo uma moderna TV de tela de plasma.

Fernando Henrique Cardoso, sociólogo com pretensões a economista, fez um trabalho mixuruca em 8 anos de governo. Ainda não se sabe como, nem qual a calculadora utilizada pela equipe da Fazenda, mas o fato é que o Brasil vendeu 5 dúzias de empresas estatais e conseguiu aumentar a dívida externa em 5 vezes.

Compatriotas de FHC, Salvatore Cacciola (um banqueiro falido que brincava de emitir cheques voadores) e Marco Aurélio de Mello (um ministro meia boca do STF que só bebe de canudinho) pediram para o então presidente tucano uns trocados a fim de realizarem uma rave internacional nas Ilhas Cayman e darem um rolé no Caribe. FHC gostou da idéia e providenciou 1 bilhão de reais para a dupla dinâmica iniciar a empreitada. Quando questionado pela imprensa sobre a transação, dizia que a economia ia mal por causa da oposição e gastar o dinheiro público com o seu lazer fazia parte do processo pra ajudar o país a ir pra frente. Porém ao descobrir que tudo se tratava de uma maracutaia para Cacciola e Marco Aurélio encherem o cú de dinheiro e que não seria convidado para festa alguma, ele mandou Cacciola tomar no cú e sumir do mapa enquanto que Marco Aurélio, encurralado e sem saída, chorou lágrimas de crocodilo e pediu desculpa beijando os pés do presidente, que achou o ato meio esquisito, mas que no fim disse que rolou um clima e tudo acabou certo.

Quebrou o país por duas vezes (ou teriam sido três?) afinal Sua Majestade Imperial FF.HH.CC. terminou seu governo Imperial com o dólar cotado a R$ 3,99; ou seja, praticamente se entregou a Lula de quatro.

Governo Lula[editar]

O futuro do Brasil está nas mãos desse homem.

Luiƒ InჃio Analfabeto Devdedado Eu-Não-ƒei-De-Nada Lula da ƒilva é o mais desprovido de inteligência dos presidentes do Brasil. Nunca antes na história desse país um governo realizou tantas inaugurações de projetos de futuras obras que um dia, talvez, sejam verdade, como o PAC (Programa de Aceleração da Corrupção),o Bolsa-Família (mas não foi o FHC que inventou???), a feroz imposição do Governo Nacional sobre Evo Morales, que despachou a Petrobras da Bolívia, o complexo programa de articulação política de Marcos Valério, o Ministro de Relações Extra-Oficiais, entre outras 171 ações que poderíamos citar. Acredita-se que Lula e toda a cambada do PT (Partido dos Trambiqueiros) seja a reencarnação dos personagens da história de Ali-Lulá e os quarenta ladrões, famosa lenda árabe.

Amado pelo povão desdentado, que acredita em Big Brother, na Fazenda e acha que novela é coisa real. É porém, odiado pela maior parte da classe média e da elite brasileira, que apesar de não acreditar em novela bota uma fé também no Big Brother e zapeia escondido a Fazenda. Seu governo foi marcado pelo escândalo do Mensalão, a maior corrupção criada no mundo denunciada por Roberto Jefferson (o dedo duro) e por dólares-de-cueca. Apesar disso, Lula não fabia de nada.

Governo Dilma[editar]

Os então candidatos Dilma Rousseff (direita) e José Serra (esquerda) trocando carícias momentos antes do debate realizado na TV Globo.

Dilma Xana Rousseff, para os opositores, Mandioca e para os mais íntimos Dilmãe, foi uma ex-gerentona da Republiqueta das Bananas do Brasil entre 1 de Janeiro de 2010 e 12 de Maio de 2016, tendo sido reeleita em 2014. Afilhada do também ex-presidente Lula, a ex-presidente é a primeira e única integrante da espécie "mulher-sapiens", uma espécie de baixa inteligência que passa seus dias estocando vento e saudando seres inanimados, como as mandiocas.

Durante sua curta e traumática carreira política, Dilma foi considerada o braço direito esquerdo atrofiado do governo do Ali Lula-lá, se sagrando a primeira presidente meio mulher da Ditadura Democrática brasileira em 2010 e tendo prometido continuar com a plataforma de seu padrinho-cúmplice-antecessor. Como ela era (e continua) totalmente inexperiente na política, sem humildade, sem autocrítica, sem criatividade, sem carisma, sem visão de futuro, incapaz de liderar e nem participar de trabalho em equipe e muito menos capacidade para driblar as adversidades, seu governo não chegou nem ao final do segundo mandato, sofrendo com a lei do impedimento em 2016.

Durante seu breve governo, a presidanta — como ela mesmo gostava de ser chamada enquanto empossada no cargo — ficou conhecida por alcançar alguns recordes que como diria seu antecessor, nunca alcançados na história deste país, como o fato de ser a primeira presidente mulher (ou não) do Brasil e a primeira a receber um impeachment por antipatia dos congressistas brasileiros, a primeira presidente a foder acabar com a Petrobras, algo que nenhum presidente ou ditador brasileiro em toda a sua história conseguiu, a primeira presidente a bater todos os recordes de desemprego no Brasil, a primeira presidente a detonar sucessivamente uma Copa do Mundo e uma Olimpíada e por fim, a primeira presidente a modernizar as pragas do Egito, difundindo simultaneamente 3 pragas pelo país: a dengue, Zika e a chikungunya, além de trazer de volta a falecida H1N1.

Governo Satânico de Temer[editar]

Ah, enfim sexta-feira 13! Um dia perfeito para sair do caixão e assumir a Presidência!

Conde Fuera Temer, ou simplesmente Michel Diabo Temer é um político, advogado e vampiro, que assumiu a presidência do Brasil na data cabalística de sexta-feira de 31 de agosto de 2016 (quer mais cabalístico do que inverter o 13 do PT e juntar com agosto?), eleito com um total de 54 milhões de votos (ele foi eleito junto com a Dilma, Lembram?). Entre suas principais plataformas políticas está a privatização do ensino médio, o fim da previdência social, e uma lei obrigando todos os trabalhadores a doarem sangue compulsoriamente pelo menos uma vez ao mês (quantidade de sangue mais que suficiente para abastecer 11 vezes todos os postos de saúde e hospitais do Brasil) por motivos ainda desconhecidos.

Continua... ou não![editar]

Ver também[editar]

E veja muito mais ainda!!![editar]

Flag map Brasil.png Brasil
HistóriaPolíticaSubdivisões
GeografiaEconomia
CulturaTurismo

Revolta da Vaci.jpg
História do Brasil: República Velha (1889-1930)

Eventos que você não se lembra porque não era nascido, e quem era está tão esclerosado que também não se lembra
Proclamação da RepúblicaConvenção de ItuCrise de 1929Café com leiteColuna PrestesCrise do EncilhamentoRevolta da VacinaGuerra de CanudosGuerra do Contestado


Presidentes, ditadores, políticos e outros nomes de rua
Deodoro da FonsecaFloriano PeixotoImprudente de MoraesCampos SalesRodrigues AlvesAfonso PenaNilo PeçonhaHermes da FonsecaWashington LuisRui BarbosaOswaldo CruzMarechal Candido Rondon


Getúlio.jpg
História do Brasil: Estado Novo (1930 - 1945)

Eventos, coisas e tendências que seu avô não acompanhou porque não queria ir para a cadeia

Revolução de 1930Revolução Constitucionalista de 1932Força Expedicionária BrasileiraIntegralismoTenentismo


Presidentes (só tem um, e quem reclamar vai pro pau)
Getúlio Vargas

Juscelinoeseufuscaopreto.jpg
História do Brasil: República nem tão velha, nem tão nova (1946 - 1964)

Eventos, políticas e tendências que teu pai e tua mãe não acompanharam porque estavam curtindo sexo, drogas e rock´n roll

Construção de BrasíliaO Crime da Rua TonelerosA Volta do Pai dos PobresCinquenta anos em cincoPopulismoForças ocultas


Presidentes, políticos e outros nomes de praça
O Pai dos PobresJânio QuadrosJKDutraJoão GoulartCafé FilhoRinoceronte Cacareco

Pinochet.jpg
História do Brasil: Ditadura (1964 - 1984)

Eventos, políticas e tendências que ninguém falava nada, senão ia pro pau de arara. Cadê o cabo Arara???

Golpe de Estado no Brasil em 1964Cabo AnselmoDOI-CODIDOPSCensuraTorturaIbadExílioPau de AraraOperação CondorAI-5Guerrilha do AraguaiaMilagre econômicoDelfim NettoAtentado do RiocentroDiretas Já


Ditadores (e quem reclamar vai pro pau)
Castelo BrancoCosta e SilvaMédiciGeiselFigueiredo


Fhc222.jpg
História do Brasil: Nova República (1984 - até agora)

Eventos, coisas e ideologias que você não acompanhou porque estava com preguiça de ler as chatices da Veja

Diretas JáImpeachment de Fernando CollorAnões do OrçamentoPlebiscito de 1993Plano CruzadoPlano RealPrivatizaçãoMensalãoDólares-de-cuecaDesarmamentoGuerra de independência do Tapajós e CarajásBadernas no Brasil em 20137 x 1Badernas no Brasil em 2015PEC 37PetrolãoMP664/665Pedalada fiscalOperação Lava JatoImpeachment da DilmaRio 2016Reforma da Previdência SocialReforma Trabalhista


Presidentes ditadores e outros canalhas de que de vez em quando você ouve falar
Dom Tancredo IDom Sarney IDom Fernando IDom Itamar I, o topetudoDom Fernando IIDom Mula IDom Dilma IDom Temer I