Operário Ferroviário Esporte Clube

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Operário Ferroviário Esporte Clube
Escudo do Operário Ferroviário.png
Brasão
Hino Quem nasce operário nunca será patrão
Nome Oficial Ponta Grossa Tenho Vergonha do Nome da Cidade me chamo Operário Ferroviário
Origem link={{{3}}} Paraná- Ponta Grossa
Apelidos Vasco do Paraná
Torcedores Pedreiros, drogados, bêbados, vagabundos
Torcidas Trem Fantasma, Fúria Jovem
Fatos Inúteis
Mascote Gasparzinho
Torcedor Ilustre Karl Marx
Estádio Estádio Fred Krüger
Capacidade 10 mil oficialmente, mas somando o muro da ALL, os barrancos e a negada que ficam assistindo no poste cabe 40 mil torcedores. Mas foda-se, pode ir o público que for sempre vão anunciar "oficialmente" que deu 7 mil pessoas naquela bosta.
Sede
Presidente Feijão Pontarollo
Coisas do Time
Treinador Picolé
Pior Jogador Nuvola apps core.png Diego Showsa
Melhor Jogador Crystal Clear action bookmark.svg.png Gracindo
Patrocinador
Time
Material Esportivo
Liga Campeonato Paranaense
Divisão Cedo ou tarde vai estar em alguma Série B
Títulos 1 Paranaense e 4632027 vices campeonatos Paranaense!!!
Ranking Nacional
Uniformes



Cquote1.png Um dia ainda faremos algo importante no futebol, senão continuaremos na luta. Cquote2.png
Torcedores do Operário sobre Operário Ferroviário Esporte Clube

Operário Ferroviário Esporte Clube é um desses times desprezíveis do Paraná, estado conhecido por ter apenas times ruins que não ganham nada, o Operário Ferroviário destaca-se em ser pior que os piores, não passando de um time desprezível e sem importância que jamais traz alegria à torcida. Tem como símbolo o fantasma justamente por ser aquele time que ninguém percebe sua existência ou sua presença nas competições, sempre passando despercebido, quando você mesmo espera ele já está numa Série B, aí sobe, pra depois sumir, e aí depois aparecer do nada numa Série B novamente (seja nacional ou estadual).

É um dos clubes de futebol mais patéticos do estado, porque é um dos mais antigos mas mesmo assim jamais conseguiu alcançar sequer o patamar de ser um time meíocre, sempre sendo uma equipe de médio-pra-ruim. Fundado em 1 de maio de 1912 nunca conseguiu até hoje um título que merecesse destaque, precisando eles ter que considerar uma Série D e um título estadual como alguma coisa, quando são mais lembrados pelo título de equipe mais suja, violenta e fracassada do estado.

História[editar]

Fundação[editar]

O Operário Sport Club surgia a partir da união de bêbados, vagabundos e arruaceiros (auto-denominados de "trabalhadores") da cidade paranaense de má fama de Ponta Grossa, no promíscuo início do seculo XX. Bandidos saqueadores (operários) de uma fálida ferroviária estavam cansados de tanto marasmo e resolveram se unir a um fracassado time de futebol chamado Riachuelo Sport Clube para encarar um desafio de formar uma equipe mais fracassada ainda, conseguindo tal feito com exito incontestável.

Para decidir as cores do clube, os fundadores da equipe decidiram que seria feito uma enquete entre os torcedores para decidir as cores da equipe que até então jogava com trapos e restos de pano. Nesse ponto houve um impasse, pois 1/3 da torcida que era gay queria rosa, 1/3 que era alcoólatra queria branco e o outro 1/3 que era composto por bandidos e traficantes queria preto (porque eles pensaram que de alguma forma isso poderia lhes ajudar em um ocasional roubo na madrugada). Então o presidente do clube da época, Jose Sarney, decidiu que o uniforme deveria ser preto e branco mas que o coração dos torcedores, dos jogadores e de todos que vestissem a camisa do time deveria ser cor-de-rosa com traços em purpurina, para assim atender a todos os torcedores do time e concretizando a grande unificação dos torcedores ponta-grossenses.

A primeira fusão[editar]

O que sabemos do futebol paranaense é que seus times sobrevivem através de fusão, pois como o futebol é muito ruim nesse estado, eventualmente sempre mais de um time estão falindo e logo acabam se fundindo para continuarem existindo. Mas o que poucos sabem é que quem iniciou essa tendência foi o Operário Spoirt Club, que já em 1933 fundia-se ao Club Athlético Ferroviário, dando origem ao Operário Ferroviário e evitando já a primeira falência. O time, óbvio, não melhorou nada, mas conseguiu mais anos de sobrevida.

Primeiro "título"[editar]

A primeira alegria do Operário Ferroviário, que é um time que não vive de títulos pois vencer algo que preste é difícil demais pra eles, foi quando em 1961 venceu o Coritiba, não em campo o que é difícil demais para eles, mas sim nos tribunais, quando acionou o STJD pra se classificar em algum torneio merda que os paranaenses fazem por lá. É até hoje a única vitória de um time do interior sobre os times da capital.

Decadência total[editar]

Após um leve sucesso anos 1950 (entende-se por "sucesso" no Operário Ferroviário disputar oe stadual paranaense sem rebaixar), nos anos 1960 rebaixou (junto com o rival Guarani) e amargou a Série B do estadual por uma porrada de anos. Nem quando times da capital faziam mutretagem beneficiavam o Operário, como em 1967, quando o Atlético Paranaense fugiu do rebaixamento no estadual propondo um novo campeonato estadual com 50 times mas o Operário Ferroviário acabou esquecido. Chamaram o Britânia mas esqueceram o Operário.

Associação Pontagrossense de Desportos[editar]

No ritmo de continuar fusões idiotas, em 1970 fundiu-se ao rival Guarani de Ponta Grossa, criando o Associação Pontagrossense de Desportos, que disputou a Série Z do campeonato paranaense nos anos de 1971, 1972 e 1973. O projeto até que fez sentido, visto que a cidade tem jogadores de bom de menos para existência de times de mais, e ter só um time na cidade fazia mais sentido. O problema mesmo foi a escolha do nome, "Pontagrossense", que é tão ridículo que faz qualquer um sentir vergonha de torcer para um negócio desses, aí o time não tinha apoio e a fusão foi desfeita em 1974.

Um time de Série B[editar]

Aos poucos o Operário Ferroviário ia tornando-se especialista em Série B, batia o recorde de rebaixamentos no campeonatinho estadual, e por falta de times no Brasil ia a todo momento disputar Série B nacional também. Começava pela Taça Prata, sempre com participações pífias, e nos anos 1990 por muito tempo foi o principal coadjuvante da nova Série B do Brasileirão. Mas como alegria de pobre dura pouco, não conseguia vencer nem o Comercial de Cornélio Procópio pela série B do estadual, empatando em 1x1 com essa porcaria sob o testemunho de um público de 79 pagantes. Só havia um caminho pro clube, a falência derradeira, pois não havia mais com quem se fundir (o método tradicional de times paranaenses escaparem da falência).

Falência e retorno[editar]

Por muitos anos o OFEC nunca conquistou um titulo paranaense, seu maior título sempre foi conseguir subir para a primeira divisão do Campeonato Paranaense, como em 2009 (depois de ficar 1 século fora), perdendo para o Roma de Apucarana por 1x0 e entregando o título ao Serrano CFC que no ano seguinte cairia para a divisão de acesso do Campeonato Paranaense em 12º lugar (lanterna do campeonato). Também ganhou a medalha de prata no concurso Miss Drag Queen Paraná perdendo o título para a representante do quase tão medíocre time do Atlético Paranaense. E tantas decepções concretizaram a falência e o fechamento do clube.

Mas esse povo é insistente, e em 2008 estavam trazendo essa porcaria de volta, nãos e sabe como, mas fizeram isso. Ressuscitaram o time pra nada, mesmo sabendo que nada ganharão com essa atitude.

Titulo estadual[editar]

Aos poucos o Operário ia ressuscitando no cenário estadual e nacional, como ser vice de novo no estado e depois ir tomar um 4x0 em casa para o Juventude na Copa do Brasil de 2012. Mas se serviu para algo de útil foi para que em 2015 servisse como balizador para decretar a falência e a total decadência do futebol paranaense, quando foi campeão com direito a 3x0 sobre o Coritiba na final. Mas é graças a proezas como esta do Operário, que garantiu seu mero título, que os times realmente bons do Brasil, que vem de São Paulo por exemplo, sabem que é obrigação vencer Coritiba e Atlético Paraense.

Série D e Série C[editar]

Com o título estadual, o Operário ganhou sua chance numa Série D. Não aproveitou bem a primeira chance, é verdade. Foi rebaixado no estadual (pela vigésima vez), é verdade. Mas tudo era parte de um bem orquestrado plano para que em 2018 fosse campeão da Série B do estadual paranaense e ao mesmo tempo conquistasse o acesso à Série B do Brasileirão, onde poderá enfrentar times de similar calibre, como CRB, Londrina e Botafogo de Ribeirão Preto.

Tudo para relembrar a principal tradição desse clube, que é o de ser um eterno time de Série B, por isso nada melhor que qualificar-se para jogar a Série B do Brasileirão de 2019 após vencer uma Série B de estadual em 2018.

Estádio[editar]

No local onde hoje se encontra o terreiro de macumba denominado Estádio Fred Krüger é onde o Opérário Ferroviário manda seus jogos. Um estádio xexelento com capacidade para 7 mil torcedores (ou pelo menos é o que parece, pois sempre é este o público anunciado). É neste estádio, que fica numa boca de fumo na Vila Oficinas é que foi jogada a primeira partida de futebol [carece de fontes] do Paraná, entre uma agremiação dos trabalhadores escravos da Rede Ferroviária e o pequeno time do Coritiba Futebol Clube. Por conta disso, o Operário, juntamente com o Coritiba são considerados os piores pioneiros do Paraná.

Torcida[editar]

A torcida do Operário Ferroviário Esporte Clube sempre se faz presente nas brigas e boates gay "partidas" do seu time, geralmente depredando e destruindo seu próprio barranco de candomblé que as vezes chamam de "estádio". Muitas vezes essa apaixonada e bêbada torcida tenta também depredar estádios de outros times em outras localidades, como no curioso caso em Arapongas onde começaram um tumulto na arquibancada e levaram uma camaçada de pau e como se não bastasse ainda tiveram alguns membros presos e outros internados.

  • Torcida Trem Fantasma: É uma torcida feita por crianças de rua jovens que adoram um bom futebol e tirar meleca do nariz, é uma torcida inofensiva absurdamente violenta que em seus constantes momentos de ódio ameaça a todos dizendo que vão fazer uma chuva de tangerinas ácidas.
  • Torcida Fúria Jovem: O time vencendo ou perdendo, eles saem na porrada de qualquer maneira, ao contrario da TTF (Torcida Trem Fantasma) e de seu próprio nome, essa torcida é composta pela grande maioria de homems velhos e bêbados , além dos bandidos é lógico. Foi esta torcida a que mais apanhou e a que mais teve membros presos em sua história, assim recebendo muito respeito dos outros torcedores.
  • Torcida Fúria Feminina: É nesta torcida que pode-se encontrar algumas prostitutas e algumas macumbeiras, mas o fato é que essa torcida foi fundada pelos torcedores gays. Ela corresponde muito bem ao que é o time do Operário: irrelevante e todo maquiado.