Poder executivo

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Uma futura secretária no executivo.

Poder executivo é o poder da União garantido pela Constituição Federal de executar. Agora o que executar, ninguém sabe direito até hoje, talvez estejam se referindo a executar os roubos, as falcatruas, e todas essas coisas inerentes à administração pública.

Ao executivo cabe a direção do país. Ele é quem decide as estratégias e qual secretária comer hoje. Anda de carro importado e, em caso de secura brava, apela para aqueles anúncios "atendimento só para executivos, hotel/motel".

No Brasil o poder executivo é dividido entre as esferas federal, estadual e municipal. Mas é tudo a mesma bandidagem.

A idéia central do poder executivo é a vontade do povo emanada através do voto, geralmente comprado. Portanto ninguém pode reclamar de estar na merda, pois teoricamente ele votou no seu representante para colocá-lo naquela merda.

Competências[editar]

Local onde o executivo federal teoricamente teria que trabalhar. Mas está quase sempre vazio.

Basicamente, no Brasil, a função do executivo é tomar martelada do judiciário, e estar sempre amarrado ao legislativo. Apesar de ser o poder mais inchado, com o maior número de concursados vida-boa, maior número de funcionários-fantasma, maior número de nepotismo e maior número de terceirizados e cargos comissionados de sanguessugas da administração pública.

A competência central do poder executivo é nortear a administração pública, roubar tua grana e passar os dias fazendo porra nenhuma na repartição e nas noites bebendo cerveja no happy hour e comprando prostitutas.

Também é função do executivo sancionar e promulgar leis, mas como o Presidente sempre quer ser camarada com seus amigos do Senado, ele sempre estará sancionando de olhos fechados as leis por mais imbecis que sejam.

O executivo também é responsáveis por manter relações diplomáticas com os países estrangeiros, onde o Brasil é chacota por séculos.

Também serve para decretar o estado de sítio e declarar guerra (mas isso nunca acontece, porque o Brasil prefere evitar a fadiga e adora ficar em cima do muro). Desde o tratado de paz com Santa Cruz e Cisplatina o Brasil nunca mais precisou tomar essas atitudes radicais.

Integrantes[editar]

Eleições do executivo, a arte de escolher democraticamente um candidato previamente escolhido por algum partido.
  • Presidente - O Poderoso Chefão do executivo do Brasil. Representa o Estado e o governo ao mesmo tempo. Mas no final das contas não passa de uma figura de alegoria já que sempre está mancomunado (ou não) com o Senado e Câmara dos Deputados.
  • Ministro - Os paus-mandados e baba-ovos do presidente. Quantos mais amigos o presidente tem, mais ministérios tem o Brasil, porque o cargo de confiança de ministro é mamar na teta.
  • Governador - Versão estadual do presidente. Fazem porra nenhuma também.
  • Prefeito - Versão levemente modificado do governador, geralmente são pessoas que não entendem porra nenhuma de administração pública que só entraram ali por popularidade mesmo.
  • Funcionário público - Pobres diabos que trabalham mais que burro na roça para não serem exonerados pelo ministro que só fica lá no último andar assinando papéis (uma vez por mês, as vezes menos).
  • Peixe - Malditos que são mais burros que uma porta, mas estão trabalhando no executivo como terceirizados por terem algum tio amigo do ministro.

Ver também[editar]