Primeiro Anismo

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Hoje em dia, quase qualquer um com dois dedos pode fazer uma obra de arte de Primeiro Anismo com um computador

Primeiro Anismo é um estilo de arte moderna influenciado pelo Surrealismo, Minimalismo e Jardim de Infancismo. O Primeiro Anismo é único em relação aos outros estilos de arte devido ao fato de utilizar em grande quantidade o giz de cera e o lápis Faber Castell ao invés daquelas ferramentas mais "sofisticadas". As obras são amplamente comercializadas e normalmente pagos em bala ou chiclete Ping Pong com figurinha do Homem Aranha.

Obras Famosas[editar]

Simplesmente... surpreendente

Auto Retrato em Giz de Cera - de Joãozinho da Silva.[editar]

"Auto Retrato em Giz de Cera" feito pelo reclusivo Joãozinho da Silva é muitas vezes citado como "O" exemplo de Primeiro Anismo pelo seu pioneiro uso do giz de cera e pelo método "colorir fora das linhas", hoje muito usado no movimento. O uso de cores simples e fortes também deve ser levado em conta, simbolizando a percepção básica de si mesmo que tem o artista. A obra é constantemente comparada com a Mona Lisa, devido ao sorriso sutil e a aparente falta de sobrancelhas. Também é notável o brilhante e melancólico fundo branco que envolve o pequeno João. Ao todo, um trabalho original que rompeu limites e definiu o futuro do movimento artístico. Quando perguntado sobre sua inspiração para a obra-prima, o modesto João respondeu: "Não sei."Claramente, esta criança era uma das mais serelepes em todo o planeta - naturalmente, serelepe demais, tanto que acabou pulando dentro de uma poça de lama.

Brilhante!

Я - de José Souza[editar]

Я demonstra a influência do minimalismo no trabalho de José de Souza. Nota-se em seus projetos certo realce característico do Minimalismo. Em fato, pode-se considerar que este é um representante da mais pura forma de arte já desenvolvida. Era apenas um ato aparentemente estúpido, porém verdadeiramente genial da criança de fazer um R invertido, mostrando a grandiosidade de sua arte. Felizmente, o Sr. Delasquire, professor, viu um potencial para o lucro a evolução artística do menino, e vendeu-o a um grande colecionador de arte como um exemplo de Minimalismo. De algum modo, todos acreditaram e agora ela é uma famosa da arte avaliada em $400.000. É completamente possível que este é o modo como os grandes artistas minimalistas começam suas vidas.

Deve-se notar que Я recebeu aclamação crítica na Rússia, foi saudado por críticos de arte e teóricos da identidade como sendo a "afirmação primitiva da subconsciência", já que "Я" é o equivalente russo para o inglês "I", referindo-se a si próprio. Porém, foi postulado que José não era, de fato, um falante nativo do russo, ou um falante de russo em geral. De fato, mais tarde foi teorizado que ele tinha uma desordem não diagnosticada de aprendizado, como ele teve para criar ¡ e ¿.

Isso foi anos antes de alguém perceber que José apenas era vesgo.

Engenhoso!.

Cacau - de Maria Joaquina[editar]

Cacau por Maria Joaquina se parece muito com as bandas Emos atuais - popular, ainda altamente derivativa e estúpida. O trabalho em si é uma página colorida tirada de um livro de Historinhas de Dragões para colorir. Apesar de todas as estranhezas, retirado de um amado show televisivo, e geralmente danando-se, Cacau se tornou uma das mais reconhecíveis peças do Primeiro Anismo. É também derivada de O clássico de Joãozinho da Silva Auto Retrato em Giz de Cera, como ela faz uso pesado de seu método de ruptura de linhas "colorindo fora das linhas". Por isso, Joãozinho etiquetou publicamente Maria como uma "Cabeça de Alfinete" e uma "Cadela Suja". Maria chorou e contou para a professora, e a professora fez Joãozinho pedir desculpas em frente da Agência Nacional de Dotes Artísticos.

Mentalmente provocante.

Meu Cachorro Spike - Autor Desconhecido[editar]

Finalmente - Arte com um fundo político! Meu Cachorro Spike foi furtado de uma escola baiana no topo da popularidade Primeiro Anista. Tragicamente, o desenho estava na pasta "Papéis Sem Nome", então o verdadeiro autor será para sempre um mistério. A pintura é de um cachorro marrom e manchado numa colina verde com um sol sorridente, uma árvore, e gotas extremamente mal-formadas que aparentemente são flores. Também há um helicóptero que está aparentemente atirando no cachorro. Embora as interpretações variem devido à sua enorme gama de possibilidades, é vista pela maioria como um protesto dos animais, porém, alguns argumentam que seja um protesto antiguerra. Outros acreditam que o cachorro representa um espelho refletindo a nós mesmos e a sociedade, e o helicóptero representa nossos demônios interiores. Outros pensam que talvez isso simbolize o mau uso de Lula do dinheiro brasileiro, simbolizado pelo "ataque" do helicóptero no bobo incapaz.

Há também um grupo de pessoas que clama que a imagem é na verdade um manifesto ateísta na forma de um desenho -- uma lamentação da miséria do povo ( representado pelo cachorro ) muitas vezes enfrentada, simplesmente para o divertimento de um deus sem sentimentos (o sol sorridente). Decidir representar deus como o sol é também uma afirmação corajosa, dizem os sustentadores dessa interpretação; tal representação faz uma comparação direta à crença do antigo deus-sol, indicando assim que a religião moderna não é menos ridícula que a mitologia antiga.