Revolução Xinhai

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Revolução Xinhai é o nome do período da história chinesa de 1911 no qual a dinastia Qing-kong foi derrubada por uma coalisão formada por monges xaolins, mestres kung fu, vendedores de pastéis e outros estereótipos chineses que cansados das pilantragens do imperador Vai Tomano Cuzi o depuseram do seu cargo estabelecendo a República da China incluindo Taiwan.

Processo[editar]

A China do final do século XIX era um país pau-mandado das potências imperialistas desde o fim da Guerra do Ópio, os porcos capitalistas chegavam no país comiam as gostosas, cagavam e mijavam nos rios e cheiravam o sem pagar. Mais ou menos o que os States fazem com o Brasil. Essa situação era tão intensa que, nas praças públicas das cidades chinesas, os ocidentais davam-se direito de fincar cartazes onde se lia: “É proibida a entrada de emos e de chineses no jardim”. Os imperadores chineses da dinastia Manchu, que dominavam o país desde o século XVII, eram tão incompetentes (que nem os políticos brasileiros) que não faziam merda nenhuma para resolver a situação.

Então, os chineses ficam revoltados com a humilhação e iniciam em 1900, a Guerra dos Karatecas. Os karatecas, membros de uma sociedade secreta chamada Maçonaria, iniciaram uma revolta nacional contra os estrangeiros, mas acabaram massacrados pelos exércitos das potências ocidentais que haviam se unido contra eles.

Em 1911, o antigo império chinês desabou. A revolta que pôs fim à monarquia chinesa foi liderada por Sun Yat-sen Sun sem iate, nomeado presidente da República recém-proclamada. Sun sem iate, junto com seus seguidores, fundou o Kuomintang (Partido Nacional do Povo), uma espécie de PSDB da China.

Só que um cara chamado Yuan Shikai Shao Khan, se torna presidente em 1913, instaura uma ditadura militar e vende a China para os estrangeiros. Para ter a China de volta é necessário a realização do Mortal Kombat.

Com a morte de Shao Khan, a China não conseguiu fazer frente às potências estrangeiras (preferiam fazer por trás) e nem aos chefes militares locais, chamados “os senhores da guerra” O Senhor dos Anéis. Eles possuíam enorme poder nas províncias e controlavam, juntamente com as zelite, cerca de 880% das áreas produtivas.